5 FATORES ESSENCIAIS SOBRE A FOTORREAGÊNCIA PUPILAR

5 FATORES ESSENCIAIS SOBRE A FOTORREAGÊNCIA PUPILAR

APRENDA SOBRE A FOTORREAGÊNCIA PUPILAR Avaliação neurológica está dentro da abordagem primária, então se você ainda não viu o nosso vídeo de Abordagem primária, dê uma lida no artigo que temos sobre o assunto, o conteúdo está muito bom. Dentro da abordagem primária existe a letra D que é sobre o nível neurológico, no entanto dentro dessa abordagem primária antes de iniciarmos o Glasgow nós realizamos a reação pupilar do paciente, porém uma coisa é a fotorreagencia e outra coisa é reação da resposta ocular Continue lendo

ENTENDENDO A ESCALA DE GLASGOW E NÍVEIS NEUROLÓGICOS

ENTENDENDO A ESCALA DE GLASGOW E NÍVEIS NEUROLÓGICOS

ESCALA DE GLASGOW E NÍVEIS NEUROLÓGICOS Entendendo a escala da Gasglow de maneira simples. Para isso, devemos voltar para dentro da abordagem primária, na letra D, que fala sobre níveis neurológicos , nós profissionais da saúde usamos diariamente a escala de Glasgow. E é muito importante nós entendermos como ela funciona. O nível de consciência já inicia na Letra A onde a gente consegue fazer todo o procedimento da abordagem primária simultaneamente com o Glasgow.  Quando fazemos a responsividade no paciente, meu colega socorrista fez Continue lendo

SEQUÊNCIA HPPP – REALIZADO NO TRAUMA

SEQUÊNCIA HPPP – REALIZADO NO TRAUMA

SEQUÊNCIA HPPP – REALIZADO NO TRAUMA A sequência HPPP nada mais é que controle de hemorragia, perfusão, pulso e pele. E ela é realizada dentro da abordagem primária. Se você não leu nosso artigo sobre a abordagem primária, dê uma conferida aqui. Hemorragia É na letra C da abordagem primária que é feita o controle de hemorragia. Existem hemorragia externas, quanto mais rápido nós controlarmos esse sangramento, melhor vai ser para nosso paciente. Dentro desse método de controle de hemorragia externa, existem alguns métodos como Continue lendo

5 ETAPAS DA ABORDAGEM PRIMÁRIA (ABCD)

5 ETAPAS DA ABORDAGEM PRIMÁRIA (ABCD)

5 etapas da abordagem primária (ABCD) O objetivo da abordagem primária à vítima de trauma é identificar da maneira mais rápida possível situações que coloquem ou possa colocar a vida em risco e que tragam atenção imediata pela equipe. Deve ser rápido, organizado e eficiente de forma que permita decisões em relação ao atendimento, dando ao paciente maiores chances de sobrevida. Dentro da abordagem de trauma, nós precisamos desenvolver 5 etapas básicas em relação a abordagem primária. Dentro dessas 5 etapas primarias, existem duas delas Continue lendo

COMO REALIZAR UMA REANIMAÇÃO CARDIO PULMONAR EM UM ADULTO

COMO REALIZAR UMA REANIMAÇÃO CARDIO PULMONAR EM UM ADULTO

COMO REALIZAR UMA REANIMAÇÃO CARDIO PULMONAR EM UM ADULTO? O que é o RCP? A reanimação cardiopulmonar (RCP) ou reanimação cardiorrespiratória (RCR) é um conjunto de manobras destinadas a garantir a oxigenação dos órgãos quando a circulação do sangue de uma pessoa para (parada cardiorrespiratória). Nesta situação, se o sangue não é bombeado para os órgãos vitais, como o cérebro e o coração, esses órgãos acabam por entrar em necrose, pondo em risco a vida da pessoa. A técnica da reanimação Cárdio pulmonar em adultos é fácil, tendo uma Continue lendo

USO DO DEA EM CRIANÇAS E LACTENTES

USO DO DEA EM CRIANÇAS E LACTENTES

USO DO DEA EM CRIANÇAS E LACTENTES A parada cardiorrespiratória em crianças dificilmente leva a morte. Muitos autores relatam que as taxas de sobrevida são maiores naquelas crianças que apresentam parada respiratória apenas, dentro ou fora do hospital, em relação àquelas que apresentam parada cardiorrespiratória. O reconhecimento precoce e a rápida intervenção na falência respiratória previnem o aparecimento de hipoxemia e de acidose respiratória, sendo esses últimos os mais importantes fatores que nos advertem para uma progressão para parada cardíaca. Em qualquer emergência que ocorra Continue lendo